Coronavírus: PSD questiona Comissão Europeia sobre demora e escassez das verbas para investigar vacinas e terapêuticas

Coronavírus: PSD questiona Comissão Europeia sobre demora e escassez das verbas para investigar vacinas e terapêuticas

Deputados da Delegação do PSD no Parlamento Europeu questionaram hoje a Comissão Europeia (CE) sobre a escassez e a demora das verbas atribuídas à investigação de vacinas e terapêuticas contra o COVID-19

Numa pergunta escrita, enviada com caráter de urgência, é recordado que apesar de a União Europeia contar com o maior programa de Ciência e Inovação do mundo, o Horizonte 2020, e de ter estabelecido uma importante parceria com o setor farmacêutico (Innovative Medicines Initiative), só nesta fase decidiu anunciar o reforço das verbas destinadas à investigação sobre esta doença.

Isto numa altura em que países como a China e os Estados Unidos estão já numa fase adiantada de desenvolvimento de vacinas e terapias contra a nova estirpe do coronavírus.

O reforço previsto pela CE, segundo foi anunciado nesta sexta-feira, deverá chegar aos 140 milhões de euros, nos quais já estão incluídos cerca de 45 milhões que deverão ser assumidos pela indústria.

Uma verba que, para os eurodeputados do PSD, continua a ser manifestamente insuficiente. A título de comparação, é referido que os Estados Unidos da América já anunciaram o investimento de cerca de 3000 milhões de euros nas referidas atividades de investigação.

A União Europeia deve ser muito mais do que uma União económica e política”, defendeu a eurodeputada Maria da Graça Carvalho, que acompanha as questões da investigação científica e do programa-quadro Horizonte 2020. “Tem de ser uma União que protege os seus cidadãos e o seu bem-estar. Portanto, tem que fazer muito mais para lutar contra o coronavírus. Mais coordenação nas medidas e essencialmente mais investimento na investigação científica e coordenação dos centros de excelência na área”.

Paulo Rangel
Lídia Pereira
José Manuel Fernandes
Maria Graça Carvalho
Álvaro Amaro
Cláudia Monteiro de Aguiar