Sofia Ribeiro lamenta cortes na coesão e agricultura no próximo orçamento europeu

A Eurodeputada Sofia Ribeiro comentou hoje a proposta da Comissão Europeia para o próximo Quadro Financeiro Plurianual, tendo afirmado que "apesar deste ser apenas o início do processo negocial, lamento profundamente os cortes anunciados”.

“Se por um lado o que se antevia em relação à Agricultura era bem pior, o corte de 5% na PAC com 4% de redução nos pagamentos directos, ou seja, no apoio directo aos agricultores, deixa-me apreensiva, pois mais uma vez são estes os sacrificados”, afirmou Sofia Ribeiro.

No que concerne ao corte proposto de cerca de 5% nos fundos de coesão, a Eurodeputada considera-os também “muito preocupantes”, pois para Portugal estes fundos são essenciais. “Eu percebo a lógica da Comissão de tentar criar mais sinergias entre os fundos, de exigir mais os Estados-Membros para que estes tenham acesso aos fundos, mas 5% é um corte elevado e desvia o foco de atenção do que para mim é o projecto europeu: a coesão social e territorial da União Europeia”, tendo ainda referido que “o Brexit tem consequências para a União Europeia e estas têm de ser compensadas com o aumento de receitas próprias da União”.

A finalizar, a Eurodeputada Sofia Ribeiro avançou que “não é um ponto de partida tão negativo como se esperava, para o início das negociações. Acho que deveríamos ser mais ambiciosos no contributo dos Estados-Membros para o Orçamento Europeu, nomeadamente elevando-o para os 1,3% RNB. No entanto, o Parlamento Europeu terá agora uma importante palavra a dizer e todos os documentos quer sobre a PAC, da qual fui relatora, quer sobre os fundos de coesão, indicam claramente que rejeitamos qualquer corte. Não tenho dúvidas de que foi por causa disto que não se foi mais longe nos cortes. Avizinham-se tempos de muito trabalho e de muitas negociações de modo a evitarmos que sejam sempre os mesmos a sofrer.”