Delegação do Parlamento Europeu visita campo de refugiados na Turquia

Delegação do Parlamento Europeu visita campo de refugiados na Turquia:

“Emergência humanitária agrava-se todos os dias e exige urgência na solução do problema”

José Manuel Fernandes: “visitar um campo de refugiados é perturbador. Em cada um deles via os meus filhos, a minha mulher, a minha família!”

Gaziantep (Turquia), 11-02-2016

Uma delegação da comissão dos orçamentos do Parlamento Europeu esteve esta semana nos campos de refugiados da Turquia, onde sentiu a dimensão do drama humano e civilizacional provocado pela guerra na Síria e na iminência de se agravar.

A gravidade da situação implica que se actue com rapidez. Estamos a agir sobre as consequências de uma guerra. É uma obrigação que convoca toda a humanidade. Mas temos de ir à origem e causa do problema. Há que acabar com a guerra na Síria! Essa é a única solução”, aponta o Eurodeputado José Manuel Fernandes, no balanço da visita que hoje termina.

Para o socialdemocrata e coordenador do PPE na comissão dos orçamentos, “a emergência humanitária agrava-se todos os dias exige e exige urgência na solução do problema”, para além da necessidade de, em simultâneo, se garantir “transparência e que os recursos financeiros chegam aos refugiados”.

Nesta visita da delegação do Parlamento Europeu, o principal objectivo é procurar coordenar as ações de apoio aos refugiados face às várias fontes de financiamento e às inúmeras entidades presentes no terreno.

O programa inclui reuniões com vários membros do governo turco, embaixadores, as principais ONG na Turquia e visita a um campo de refugiados.

A Turquia tem mais de 900 quilómetros de fronteira com a Síria, estando obviamente exposta ao fluxo de refugiados sírios. A Turquia conta já com mais de 2,6 milhões de refugiados sírios. Face aos recentes bombardeamentos russos, o drama e o número de refugiados na Turquia tem tendência a aumentar. Neste momento, estão mais de 50 mil refugiados sírios à porta da Turquia, à espera de entrar.

É provável que tudo se precipite: há mais de 11 milhões de pessoas na Síria a viver na penúria, fartos de fugir à guerra e predispostos a tudo fazer para saírem do país”, alerta, José Manuel Fernandes, relator do orçamento da UE para 2016, sublinhando a preocupação com a dimensão desta crise humanitária. Apenas 10% dos refugiados estão em campos de acolhimento e mais de metade dos refugiados são jovens. Os restantes 90% estão em comunidades locais, em que em muitas delas estão em maior número do que a população local. Esta situação cria problemas em termos de infra-estruturas e de pobreza.

A Turquia afirma que já investiu cerca de 9 mil milhões de euros desde o início do conflito para ajudar os refugiados e que recebeu pouco mais de 500 milhões de euros. A União Europeia acordou uma ajuda de 3.000 milhões para 2016 e 2017.

José Manuel Fernandes constatou o esforço da Turquia e o trabalho notável que as instituições humanitárias e ONG fazem no terreno.

Na região de Gaziantep, o Eurodeputado visitou o campo de refugiados de Osmaniye, em que o Governador e as instituições locais tratam estes refugiados como os "convidados". Afirmam que foram enviados por Deus.

No campo de Osmaniye, estão 9.500 refugiados distribuídos por 2.000 tendas. Há água, 15 pequenas lojas, médico, farmácia, escola, espaço para lazer. Cada refugiado tem mensalmente cerca de 16 euros para alimentação que podem adquirir no supermercado do campo e 11 euros para outras despesas, recebendo duas cartas bancárias para esse objectivo (85 libras turcas).

O eurodeputado deixa o testemunho pessoal da visita ao campo de refugiados: Estive numa dessas tendas com uma família. Um casal jovem com uma filha convidou-me a entrar. Ele veterinário, ela professora. Insistiram para que entrasse. Descalcei-me. Ofereceram-me café. Estão ali desde 2012, mas têm esperança em voltar a casa. Aliás, querem todos voltar para a Síria, logo que haja condições mínimas de segurança. Não percebem a razão da guerra e a postura dos vários "actores". Agradecem-nos a ajuda. Nas escolas para crianças sírias, só encontrei mulheres a leccionar. Desde 2012, já nasceram 907 crianças e morreram 146 pessoas neste campo. Na Turquia, desde o início, do conflito já nasceram mais de 150 mil crianças sírias.

“Visitar um campo de refugiados é perturbador. Em cada um deles via os meus filhos, a minha mulher, a minha família! Foi um ensinamento. Ensinou-me a dar valor à paz, a perceber que, de repente, tudo muda. Falei com vários refugiados que ainda há pouco tempo tinham tudo, hoje não têm nada. Há as crianças que viram os pais e mais familiares morrerem… Enfim… Estamos a agir sobre as consequências de uma guerra. É uma obrigação que convoca toda a humanidade. Mas temos de ir à origem e causa do problema. Há que acabar com a guerra na Síria!”.

Nota: A Turquia quer aderir à UE. Desde 2001, tem recebido apoio da UE no âmbito do instrumento de Pré-adesão (até 2020 cerca de 10 mil milhões de euros). O Banco Europeu de Investimento empresta por ano cerca de 2 mil milhões de euros. Mas a prioridade são os refugiados sírios.